2 de dez de 2009

Para quem estava com saudade...


Sou suspeita para falar sobre o show de Jorge Vercillo porque sou fã e o amo incondicionalmente. Mas como ouvi relatos de pessoas que foram pela primeira vez ao show dele, posso dizer com todas as letras e em maiúsculo: o show foi M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O!

Tudo perfeito. Desde o comercial que anunciava: "...e para quem estava com saudades... Jorge Vercillo." Nada mais verdadeiro. Foi uma noite para matar as saudades, mas sempre com aquele gostinho de quero mais. Mesmo com mais de 2h30 de show... Uma noite inteira não saciaria a nossa vontade de ouvir, dançar e vercillar. A vinda de Jorge Vercillo é sempre uma oportunidade para rever os amigos e botar o papo
em dia. Ele consegue unir todas as coisas. Não há a menor dúvida.

O show como de praxe foi aberto com Melhor Lugar. Após algumas músicas, Jorge pôde perceber que aqui é o melhor lugar e repetiu o trecho: Aqui ainda parece o melhor lugar... E, é! Embora, em alguns, pairasse a incerteza sobre quem seria a atração principal. Não ficou nem uma sombra de dúvida de que a maioria foi pra ver e ouvir Jorge Vercillo. O êxtase tomou conta do Chevrolet Hall com a entrada do cantor. O show de Fagner também foi lindo com músicas que marcaram e marcam a vida de todos nós. Com direito a volta do cearense no show de Jorge. Cantaram Fácil de Entender (composição de Jorge regravada por Fagner), Velas do Mucuripe (a pedido de Jorge) e Canteiros.

Reafirmando que todos nós somos um, Jorge mandou que fosse liberada a entrada das pessoas que estavam nas laterais para oo setor das mesas. "A casa é nossa", afirmou. E foi mesmo. Ele agradeceu às pessoas que estavam nas mesas pela compreensão e reiterou que para ele não havia diferença entre quem estava nas mesas, nos camarotes ou na pista. Todos são iguais, todos são um. Tem como não se apaixonar por essa criatura? Até ciranda teve. No momento da capoeira o músico pernambucano Fabinho Costa mandou ver com a tradicional ciranda: "Eu tava na beira da praia ouvindo as pancadas das ondas do mar..." Não tinha como não ensaiar uns passinhos e uma roda de ciranda.

Em um momento, Jorge bebeu água e deu o copo a uma das pessoas que estavam na frente do palco. A galera foi ao delírio. rsrs Glauco Fernandes ainda o desafiou a tocar violino no momento da capoeira. Uma espécie de 'vingança' que nos fez dar boas risadas e ouvir Jorge tocar violino (com um pouco mais de aulinhas ele consegue). Mas não dá pra não achar lindo o que Jorge faz, né? rsrs Esbanjando simpatia e humildade, Jorge cativa ainda mais o público pernambucano. E "(...) se tu me cativas, teremos necessidade um do outro." A saudade já bateu...

Encerramento da turnê Trem da minha vida e expectativas para o novo CD que vai chegar... Com a certeza que teremos um longo tempo de espera até a volta do nosso jardineiro. Até lá, é relembrar os bons momentos. Que não são poucos... rsrs

Foto: Patrícia Greco

2 comentários:

  1. Eta, que coisa boa que é ver a nação Vercillete feliz vendo e ouvindo Jorge, compartilhando as emoções, matando a saudade uns dos outros!
    Obrigada por compartilhar!
    Beijinhos
    Mari - RJ

    ResponderExcluir
  2. É bom mesmo, Mari. Melhor ainda saber que em cada cantinho do Brasil o carinho por Jorge só aumenta.
    Beijos

    ResponderExcluir