23 de dez de 2010

"A necessidade tem cara de gente"

Da Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Olinda e Recife

Uma noite para alimentar o coração. Assim pode ser descrita a implantação da Pastoral de Rua da Arquidiocese de Olinda e Recife, ocorrida na terça-feira, 21. O evento teve início com louvores no Pátio da Igreja Nossa Senhora do Livramento, bairro de São José, no Recife, e contou com a participação de centenas de ‘irmãos de rua’.

Os moradores de rua cantaram e rezaram ao som de músicas cristãs. O arcebispo de Olinda e Recife, dom Antônio Fernando Saburido, presidiu a Celebração da Palavra e compartilhou as palavras de Jesus. Era hora de alimentar a alma de esperança.

“Procuramos oferecer a vocês o pão da palavra, mas nós precisamos também do pão material, por isso a nossa festa não seria completa se ficássemos apenas aqui nesse encontro de partilha da palavra sem haver o encontro em torno da mesa. A mesa do pão, a mesa que vai nos ajudar a saciar a nossa fome”, afirmou o arcebispo em sua homilia.

Após o momento de oração, todos se dirigiram até a Basílica de Nossa Senhora da Penha, onde foi servido o jantar natalino. Por trás de cada sorriso, uma história de luta e sofrimento. Pessoas de diversos bairros do Recife e de outras cidades atenderam o convite de dom Fernando e foram participar daquela, que para muitos, era a única refeição do dia. A necessidade não tem idade. Ela se revelava na criança ainda no ventre de uma franzina jovem até nos idosos que saciavam a fome de vida.

Entre tantos relatos, o de uma criança, da periferia de Olinda que junto com a mãe e os sete irmãos foram até o centro do Recife. Chegar lá não foi fácil. Viver não é simples. A menina radiante não deixava dúvidas: “a necessidade tem cara de gente”. Admirada com tantos flashes, pediu para tirar uma foto do presépio e mirou nas estrelas. Ela buscava o alto. Era a esperança de dias melhores.

“Através desse evento queremos promover a unidade. A fim de que possamos trilhar juntos objetivos maiores e conseguir para vocês aquilo que têm direito porque são como nós filhos de Deus”, afirmou dom Fernando.

Dezenas de voluntários ajudaram na distribuição do jantar e dos lençóis doados aos irmãos de rua. Entre eles, o integrante da Fraternidade O Caminho, Irmão Servo, que é paraense e há cinco anos trabalha com irmãos de rua da cidade do Recife. “Se tiver como ajudar estou aqui. O que a gente quer é que os irmãos tenham dignidade”, disse.

A Pastoral de Rua faz parte da Comissão Arquidiocesana de Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz, responsável pela coordenação das ações. “O sentimento que fica é o de bem-estar em saber que uma parte da missão foi cumprida, mas que a partir dela se iniciam novos desafios para que a caridade seja concretizada”, revelou o presidente da comissão, padre Francisco Mota.

Voluntariado – As pessoas e grupos que quiserem saber mais sobre a Pastoral de Rua ou participar como voluntários podem ligar para a Pastoral Social pelo telefone 3271.1090, de segunda a sexta, das 7h às 13h.










3 comentários:

  1. Que bonito! Realmente a necessidade tem cara de gente! Todos nós precisamos fazer algo, e não apenas lamentar ou criticar o governo!

    Grande beijo e um ano muito promissor!

    ResponderExcluir
  2. Parabens, pelo blogue e pelas postagens
    Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
    Um abraço e fique com DEUS.

    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ju! É verdade não podemos ficar de braços cruzados assistindo ou fingindo não ver o drama dessas pessoas.

    José, obrigada pela visita e pelos elogios. Visitei seu blog. Tudo que é simples, vale muito.

    Um 2011 maraivlhosos para todos nós!

    ResponderExcluir