1 de set de 2007

Deixem-me viver!

Em um post anterior falei de aborto, contudo não poderia deixar de publicar essa história. O Caso da Espinha Bífica é um relato emocionante e comovente, um grito silencioso pela vida. É um caso verídico. Não preciso falar muito porque a imagem fala por mil palavras.


O Caso da Espinha Bífida

Um fotográfo que fez a cobertura de uma intervenção cirúrgica para corrigir um problema de espinha bífida realizada no interior do útero materno num feto de apenas 21 semanas de gestação, numa autêntica proeza médica, nunca imaginou que a sua máquina fotográfica registaria talvez o mais eloqüente grito a favor da vida conhecido até hoje.

Enquanto Paul Harris cobria, na Universidade de Vanderbilt, em Nashville, Tennessee, Estados Unidos, o que considerou uma das boas notícias no desenvolvimento deste tipo de cirurgias, captou o momento em que o bebê tirou a sua mão pequenina do interior do útero da mãe, tentando segurar um dos dedos do médico que o estava a operar.

A foto, espectacular, foi publicada por vários jornais dos Estados Unidos e a sua repercussão cruzou o mundo até chegar à Irlanda, onde se tornou uma das mais fortes bandeiras contra a legalização do aborto. A pequena mão que comoveu o mundo pertence a Samuel Alexander, cujo nascimento deverá ter ocorrido no passado dia 28 de dezembro (no dia da foto ele tinha apenas 5 meses de gestação).

Quando pensamos bem nisto, a fotografia é ainda mais eloqüente. A vida do bebê está literalmente presa por um fio. Os especialistas sabiam que não conseguiriam mantê-lo vivo fora do útero materno e que deveriam tratá-lo lá dentro, corrigindo a anomalia fatal e voltar a fechar o útero para que o bebê continuasse o seu crescimento normalmente. Por tudo isso, a imagem foi considerada como uma das fotografias médicas mais importantes dos últimos tempos e uma recordação de uma das operações mais extraordinárias registadas no mundo.

Agora, o Samuel tornou-se no paciente mais jovem que já foi submetido a este tipo de intervenção e, é bem possível que, já fora do útero da mãe, Samuel Alexander Arms aperte novamente a mão do Dr. Bruner.

A apresentadora de televisão Justine McCarthy disse que é impossível não se comover com a imagem poderosa desta mão pequenina que segura o dedo de um cirurgião e nos faz pensar em como uma mão pode salvar vidas.
---------------------------------------------------------------------------------------------------
Espinha bífida significa espinha cindida ou dividida. Esta divisão se dá nas primeiras semanas de gravidez, quando a medúla , então em formação, não se fecha corretamente, o que faz com que os bêbes apresentem os nervos expostos e vértebras danificadas. Crianças portadoras de espinha bífida poderão apresentar dificuldades de coordenação, aprendizado, controle muscular e mobilidade.

---------------------------------------------------------------------------------------------------

Precisa dizer alguma coisa? Creio que não.

Ontem, iria publicar o texto acima, porém não tive tempo, ou talvez o destino não quisesse. À noite, fui à Igreja e, por coincidência ou providência, houve uma apresentação sobre o aborto e tocou uma música belíssima que eu já conhecia, mas não lembrava dela. O nome da canção é Grito Silencioso, da banda Santa Clara. Por coincidência, também, eu escrevi que a imagem a cima era um grito silencioso. Infelizmente, não dá para colocar o áudio, contudo publico a letra.


Grito Silencioso
Kátia Simone

Há um sonho realizado, grande obra de Deus Pai
Dar a vida para os filhos, amar, sorrir, louvar e ser feliz
Mas os homens insensíveis sempre querem decidir
quem tem o direito a viver ou quem está
condenado a morrer

Grito silencioso de órfãos inocentes
em nome da liberdade,
assassinados no ventre.

Relações irresponsáveis fazem da vida um brinquedo
tão longe de serem um verdadeiro amor.
Não darão o primeiro grito, nem nos lábios um sorriso.
Pequeninos, indefesos, abortados em segredo
o seu destino é a dor.

Cruelmente exterminados, só queriam ser amados
E fazer tudo que uma criança faz.
Retirados em pedaços, por veneno ou sufocados
pequeninos torturados, pelos seus desamparados
não conheceram o amor.

Grito silencioso, que machuca
o coração de Deus
Maria, mãe da Igreja, roga pelos filhos seus.

Um comentário:

  1. REALMENTE É EXCEPECIONAL ESSA HISTÓRIA...TANTOS BRINCAM C VIDAS E N SBEM Q ESSAS GRITAM EM SUA DEFESA...O AMOR MAIOR QUER VENCER E DERRUBAR OS Q TANTO MALTRATAM SEUS FILHOS AMADOS...
    VIVA A VIDA!A MÚSICA TB É MT TOCANTE E MOSTRA UMA REALIDADE ABSURDA...

    ResponderExcluir